Transcrição é o processo de formação do RNA a partir de uma cadeia-molde de DNA, que tem como função, ordenar corretamente os aminoácidos a serem sintetizados posteriormente em proteínas.

O processo é catalisado pela enzima RNA-polimerase. Ela é semelhante ao DNA polimerase porém, não necessita de primers para a sua iniciação.

O primeiro passo da iniciação é a localização de regiões conhecidas como promotores, que são sequências de nucleotídeos específicos que sinalizam e direcionam a transcrição; este é um ponto importante de regulação gênica já que é o ponto onde se determina qual gene, em qual momento e em que quantidade será expresso pela célula.

Uma vez que a RNA polimerase encontra-se ligada ao promotor, ela irá desenrolar as fitas do DNA e iniciará a transcrição com base em uma dessas fitas, conforme apresentado na Figura 6.

O término da transcrição pode ocorrer de duas formas: intrínseca, onde uma sequência de bases determina o fim do processo de transcrição; ou dependente de Rho; onde a presença da proteína Rho determina esse fim. O RNA produto da transcrição é chamado de transcrito primário.

Os íntrons são regiões não-codificantes do DNA, ou seja, que não produzem proteínas ou tRNA e rRNA. Em procariontes a transcrição é realizada com a ausência de íntrons contudo, nos eucariontes, o processo splicing, os íntrons são retirados do transcrito primário resultando nos éxons que se unem para formar o transcrito funcional. É assim que um mesmo segmento de DNA pode gerar proteínas distintas.

 

Referências:

DAMILIO, J.C.P., REYS, L.F., MACEDO, J.N.A. (2011) Dogma Central da Biologia Molecular e Introdução a Bioinformática. Educacional, 2011.

PEIXOTO, R.L. (2017) Princípios da Edição Gênica. Campo Grande, Faculdade de Computação / Universidade Federal de Mato Grosso do Sul – UFMS, 2017, 18p.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *